Mulheres, Paz e Segurança

Os conflitos armados, as guerras e o militarismo são processos que se baseiam em relações de género. Recorrem, mantêm e promovem a tradicional construção ideológica de masculinidade e de feminilidade: os homens vão para a guerra para defender o seu país e valores enquanto as mulheres são alvo de atos violentos enquanto estratégia de guerra. O papel, múltiplo e diversificado, das mulheres na guerra e nos conflitos armados é, intencionalmente ou não, desconhecido e relativizado. Assim, as mulheres não são chamadas às negociações de paz e não lhes é permitido uma participação igual na implementação dos direitos humanos e da justiça e na asseveração da segurança humana para todas as pessoas.