No dia em que Maria de Lourdes Pintasilgo completaria 87 anos de idade – 18 de janeiro de 2018 -, a Fundação Cuidar O Futuro e a Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, em parceria com o Graal, apresentam o projeto ‘Ouvir o Presente, Cuidar o Futuro: Homenagear Maria de Lourdes Pintasilgo’, na Biblioteca Municipal António Botto, em Abrantes, sua terra natal.

É a ocasião se dar início a uma homenagem a Maria de Lourdes Pintasilgo, a única mulher Primeira Ministra em Portugal. Esta homenagem enquadra-se nas comemorações dos 40 anos da institucionalização da Comissão da Condição Feminina – atualmente Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género -, organismo criado por Maria de Lourdes Pintasilgo enquanto Ministra dos Assuntos Sociais.

Sob o lema Cuidar o Futuro – Uma mensagem para o mundo, a sessão conta com a presença da Senhora Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, do deputado e Vice-Presidente à Assembleia da República, José Manuel Pureza, da Presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque, da Presidente da Fundação Cuidar o Futuro, Margarida Santos, da representante do Graal e Professora na Universidade Nova, Maria Antónia Coutinho, e da Presidente da Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres, Alexandra Silva.

Nesta sessão será debatido o pensamento de Maria de Lourdes Pintasilgo e será lançada a 2ª edição do Relatório Cuidar o Futuro – Um Programa Radical para Viver Melhor e de 4 números dos Cadernos Temáticos Maria de Lourdes Pintasilgo e os desafios da sociedade contemporânea. Consulte o convite e o programa.

Sobre o projeto Ouvir o Presente, Cuidar o Futuro: Homenagear Maria de Lourdes Pintasilgo

No âmbito da comemoração dos 40 anos da institucionalização da Comissão da Condição Feminina, e com o apoio da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade e da Comissão para a Cidadania e Igualdade Género, a Fundação Cuidar o Futuro e a Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres desenvolvem em parceria o Projeto Ouvir o Presente, Cuidar o Futuro: Homenagear Maria de Lourdes Pintasilgo. O projeto decorre até julho de 2019 e tem como objetivos:

  • Disseminar o legado de Maria de Lourdes Pintasilgo enquanto figura cívica, pública e política de relevo a nível nacional e internacional;
  • Aprofundar, reforçar e democratizar o conhecimento e o reconhecimento da ação e do pensamento inovador de Maria de Lourdes Pintasilgo;
  • Promover a ação e a mobilização social, especialmente das mulheres, a partir da reflexão de Maria de Lourdes Pintasilgo;
  • Identificar pistas sobre novas propostas de organização social e de um novo compromisso coletivo para com o futuro, utilizando o pensamento e a metodologia de consulta e envolvimento social defendida por Maria de Lourdes Pintasilgo;
  • Contribuir para a concretização de uma homenagem nacional a Maria de Lourdes Pintasilgo que reconheça adequadamente o seu papel pioneiro e inovador na sociedade portuguesa

Este projeto materializa-se num conjunto de atividades a desenvolver em três grandes áreas: Estudos e Publicações; Mobilização local através de audições públicas; e uma Homenagem Nacional a Maria de Lourdes Pintasilgo, a ter lugar na Assembleia da República.

…………………….

Sobre a Fundação Cuidar o Futuro (FcF)

A Fundação Cuidar o Futuro inspira-se na filosofia da Cultura e Ética do Cuidado e assume o legado de Maria de Lourdes Pintasilgo de promover pontes entre o pensamento e a ação que sejam estruturantes para a melhoria sustentada da Qualidade de Vida e desafiadoras da capacidade de cuidado da humanidade por si própria, pelo planeta e pela existência de um futuro possível.

A Fundação visa contribuir, à sua escala, para uma mudança de paradigma a todos os níveis sociais, nas políticas públicas e na consciência coletiva dos deveres, das responsabilidades e dos direitos de mulheres e homens e aposta na contribuição das mulheres para fazer face à complexidade institucional em que vivemos.

A Fundação Cuidar o Futuro, concebida por Maria de Lourdes Pintasilgo que foi a sua primeira presidente, foi instituída pela associação Graal.

Sobre a Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM)

A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM) é uma associação de caráter social, cultural e humanista, sem fins lucrativos e independente sob o ponto de vista partidário, administrativo e confessional, que tem como membros Organizações Não-Governamentais de Direitos das Mulheres (ONGDMs). Foi criada em novembro de 2004 com o objetivo de construir sinergias para a reflexão e ação coletiva, tendo em vista a promoção da igualdade entre as mulheres e os homens e a defesa dos direitos das mulheres, com recurso aos mais variados meios, entre os quais pesquisa, lobbying, divulgação, comunicação, sensibilização e formação. A PpDM pretende, também, contribuir para a implementação do mainstreaming da igualdade de género em todas as dimensões da vida social. A PpDM trabalha no sentido da capacitação, articulação e mobilização das ONGDMs portuguesas e para o reforço da cooperação destas com ONGs Europeias, da região EuroMed e Internacionais que trabalham nesta área, de forma a potenciar a sua atuação na sociedade enquanto atores do processo de implementação da igualdade de entre mulheres e homens.

A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres representa Portugal no Lobby Europeu das Mulheres (LEM) e na Associação das Mulheres da Europa Meridional (AFEM) e é membro da Fundação das Mulheres do Euro-Mediterrâneo (FFEM). A Plataforma é membro da Plataforma da Sociedade Civil Europeia contra o Tráfico de Seres Humanos e tem Estatuto Consultivo Especial junto do ECOSOC das Nações Unidas. A Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres gere o Centro Maria Alzira Lemos | Casa das Associações e é composta, atualmente, por 26 organizações que representam as mulheres na sua diversidade.

Descarregue o comunicado à imprensa aqui.