Caso não tenhas podido participar hoje de manhã, aqui fica o vídeo do webinário sobre “as mulheres e o ambiente: qual a relação?”

E um sumário:

# Porque devem ser relacionadas as questões relativas às mulheres e ao ambiente? Por que razão é importante para as organizações de mulheres abordarem as questões ambientais?

Ilona Graenitz, Coordenação Austríaca do LEM – Apresentação da ficha técnica do LEM do relatório de Pequim+20 “das palavras às ações
“O estilo de vida ocidental não será possível por muito mais tempo, mas tal não significa ter uma vida menos interessante ou menos preenchida.”
“As mulheres são desproporcionalmente afetadas pelas alterações climáticas e pela degradação do meio ambiente. Não haverá igualdade de género sem uma mudança social.”
“As mulheres tomam a maioria das decisões domésticas sobre o que comprar, onde e quando: desempenham um papel central na gestão dos resíduos.”

# Porque é importante que os grupos ambientalistas sejam ativos no empoderamento das mulheres?

Jenny Hawley, Friends of the Earth – Apresentação de um livro sobre o empoderamento das mulheres, parte do projeto Big Ideas Change the World da organização Friends of the Earth
“Se não transformarmos a sociedade, não alcançaremos as nossas metas ambientais.”
“Alcançar as metas ambientais e a igualdade de género requer novos sistemas económicos, políticos e sociais.”
“Alcançar a igualdade de género dentro do movimento ambientalista é simplesmente o correcto a fazer.”

# Visões alternativas feministas: economia feminista sustentável

Helene Ahlborg, Estudante de pós-doutoramento em análise de sistemas ambientais, Universidade de Tecnologia Chalmers
“As e os feministas devem fazer a ligação entre justiça social e alterações climáticas: não haverá igualdade entre mulheres e homens sem uma economia verde.”
“Crescimento = dependência económica = exploração / decrescimento = instabilidade económica = injustiça social: É preciso uma nova sociedade não-violenta.”
“A mesma lógica e visão de mundo que explora as mulheres, também explora o meio ambiente.”

Portugal: impacto diferenciado das alterações climáticas sobre as mulheres na Europa

Justin Roborg-Sondergaard, Fundação Cuidar o Futuro do GRAAL, organização membro da Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM)
“Não podemos continuar a trabalhar de forma compartimentada se queremos fazer mudanças na economia, no meio ambiente e concretizar os direitos das mulheres.”
“As mulheres dispor de ferramentas para desempenhar um papel activo na sua vida diária na luta contra as alterações climáticas .”

# COP21: medidas concretas para uma ação feminista relativamente às alterações climáticas

A mobilização das organizações de mulheres: Yveline Nicolas, Adequations (membro do grupo francês “Género e desenvolvimento sustentável” em conjunto com a coordenação francesa do LEM, a CLEF)

Consulte a posição das mulheres francesas para a COP21

“As ONGs do ambiente são muitas vezes indiferentes às questões da igualdade de género. É preciso enfatizar junto delas a importância desta dimensão.”

“Lembre-se não considerar as mulheres como um grupo homogéneo em termos de hábitos de consumo, saúde, envolvimento, etc.”

Comentários da moderadora Pierrette Pape (LEM):

“Apenas o México contribuiu com uma perspectiva de género nas alterações climáticas para a COP21.”

“O debate sobre o ambiente ainda é dominado pelos homens, assim sendo enfatizada uma determinada perspetiva e compreensão das alterações climáticas.”

Comentário no tweeter:

“Precisamos transformar a sociedade! Uma imensidão de razões conjuntamente com o imenso conhecimento das ONGs de direitos das mulheres sobre como fazê-lo!”

“Estou a ouvir” das palavras às acções “Webinário pela @EuropeanWomen – Oh como eu adoro as possibilidades dadas pela internet”.